Luan Santana    

Amor Distante (part. Zezé de Camargo e Luciano)

Letras Luan Santana / Amor Distante (part. Zezé de Camargo e Luciano)

Amor Distante (part. Zezé de Camargo e Luciano)

Luan Santana

Se eu fosse um passarinho
Queria voar no espaço
E pousar devagarinho
Nas voltinhas do seus braços
Queria sentir seu carinho
Para aliviar a dor que passo
Queria te dar um beijinho
E depois um forte abraço
É um ditado muito certo
Quem ama nunca esquece
Que tem seu amor distante
Chora, suspira e padece
Coração sofre bastante
Saudade no peito cresce
Se você tem outro amor
Seja franca e me esclareça

Um rapaz com sua viola
Vem chegando do interior.
Com chapéu de boiadeiro
E traje de lavrador.

Tem um prédio
Em São Paulo entrou no elevador,
Também entrou uma moça igual
A um botão de flor.

Achando a moça tão bela o rapaz
Falou pra ela quero ser o seu amor.
A mocinha respondeu com um gesto
Indelicado para mim você não passa
De um mendigo conformado você
Com essa viola é um caipira atrasado
Não tem onde cair morto e quer ser meu namorado.
Só fico com gente nobre você é um rapaz tão pobre não namoro pé rapado.

O rapaz muito educado então
Disse pra menina ando com essa viola
Pra cumprir a minha sina mas sou
Muito caprichoso só tenho um prédio de esquina
Para mim você não passa de uma falsa granfina
Onde moras não e seu esse predio aqui e meu você e minha inquilina.

Me chame do que quiser de caipira ou
De roceiro esse chapéu representa o troféu
Dos boiadeiros, não largo desta viola porque sou
Bom brasileiro


Luan Santana

Amor Distante (part. Zezé de Camargo e Luciano)

Luan Santana

Amor Distante (part. Zezé de Camargo e Luciano)

Se eu fosse um passarinho
Queria voar no espaço
E pousar devagarinho
Nas voltinhas do seus braços
Queria sentir seu carinho
Para aliviar a dor que passo
Queria te dar um beijinho
E depois um forte abraço
É um ditado muito certo
Quem ama nunca esquece
Que tem seu amor distante
Chora, suspira e padece
Coração sofre bastante
Saudade no peito cresce
Se você tem outro amor
Seja franca e me esclareça

Um rapaz com sua viola
Vem chegando do interior.
Com chapéu de boiadeiro
E traje de lavrador.

Tem um prédio
Em São Paulo entrou no elevador,
Também entrou uma moça igual
A um botão de flor.

Achando a moça tão bela o rapaz
Falou pra ela quero ser o seu amor.
A mocinha respondeu com um gesto
Indelicado para mim você não passa
De um mendigo conformado você
Com essa viola é um caipira atrasado
Não tem onde cair morto e quer ser meu namorado.
Só fico com gente nobre você é um rapaz tão pobre não namoro pé rapado.

O rapaz muito educado então
Disse pra menina ando com essa viola
Pra cumprir a minha sina mas sou
Muito caprichoso só tenho um prédio de esquina
Para mim você não passa de uma falsa granfina
Onde moras não e seu esse predio aqui e meu você e minha inquilina.

Me chame do que quiser de caipira ou
De roceiro esse chapéu representa o troféu
Dos boiadeiros, não largo desta viola porque sou
Bom brasileiro