João Mineiro e Marciano    

Amor Clandestino

Letras João Mineiro e Marciano / Amor Clandestino

Amor Clandestino

João Mineiro e Marciano

Quando a porta se abrir, você vai sair, e pedir que eu esqueça
Toda vez é assim, vai fugindo de mim, quase perco a cabeça
Quando o relógio avisa, visto a minha camisa, me escondendo da dor
Nem bem a porta se fecha, você me esquece, no elevador
Fica a sensação, que essa nossa paixão é um caso sem jeito
Pra te amar outra vez, lembro o que a gente fez, te procuro no peito
Só encontro um vazio, feito um peixe sem rio, me falta um pedaço
Sinto então sua boca, e o meu corpo sem roupa dentro do seu abraço

Esse amor de momento, quase nunca tem tempo, é feito as pressas
Não divide segredos, não tem paz nem sossêgo, não admite promessas
Esse amor clandestino, faz de mim um menino, que ao dormir também chora
E adormece querendo, te ouvir me dizendo: "Nunca mais vou embora"


João Mineiro e Marciano

Amor Clandestino

João Mineiro e Marciano

Amor Clandestino

Quando a porta se abrir, você vai sair, e pedir que eu esqueça
Toda vez é assim, vai fugindo de mim, quase perco a cabeça
Quando o relógio avisa, visto a minha camisa, me escondendo da dor
Nem bem a porta se fecha, você me esquece, no elevador
Fica a sensação, que essa nossa paixão é um caso sem jeito
Pra te amar outra vez, lembro o que a gente fez, te procuro no peito
Só encontro um vazio, feito um peixe sem rio, me falta um pedaço
Sinto então sua boca, e o meu corpo sem roupa dentro do seu abraço

Esse amor de momento, quase nunca tem tempo, é feito as pressas
Não divide segredos, não tem paz nem sossêgo, não admite promessas
Esse amor clandestino, faz de mim um menino, que ao dormir também chora
E adormece querendo, te ouvir me dizendo: "Nunca mais vou embora"