João Mineiro e Marciano    

Alma Congelada

Alma Congelada

João Mineiro e Marciano

Não adianta insistir novamente
Minha atitude seu que vai ser comentada
Se eu não presto por deixá-la de repente
Estamos pagos, pois você não vale nada
Sou simplesinho, mas me julgo muito gente
A educação felizmente me foi dada
Eu fui criado de um modo diferente
Que me rodeia é gente bem educada.

Não tenho culpa, se você a moça crente
Caminha hoje a errar por outra estrada
Por que seus atos são de quem ficou doente
E vive sempre com a mente perturbada
Com enfeitar a mulher que sempre mente
Que desmorona nossa vida planejada
Talvez orando ao senhor onipotente
Encontrarei uma nova e doca amada

O nosso sol já descamba no poente
A Luiz do amor já se encontra apagada
Nada mais resta, o adeus infelizmente
É o desfecho desta historia fracassada.
Adeus mulher vou partir tranquilamente
Ser ter saudade de um vida já passada
Se eu sentir a falta de seu beijo quente
Recordarei sua alma congelada.


João Mineiro e Marciano

Alma Congelada

João Mineiro e Marciano

Alma Congelada

Não adianta insistir novamente
Minha atitude seu que vai ser comentada
Se eu não presto por deixá-la de repente
Estamos pagos, pois você não vale nada
Sou simplesinho, mas me julgo muito gente
A educação felizmente me foi dada
Eu fui criado de um modo diferente
Que me rodeia é gente bem educada.

Não tenho culpa, se você a moça crente
Caminha hoje a errar por outra estrada
Por que seus atos são de quem ficou doente
E vive sempre com a mente perturbada
Com enfeitar a mulher que sempre mente
Que desmorona nossa vida planejada
Talvez orando ao senhor onipotente
Encontrarei uma nova e doca amada

O nosso sol já descamba no poente
A Luiz do amor já se encontra apagada
Nada mais resta, o adeus infelizmente
É o desfecho desta historia fracassada.
Adeus mulher vou partir tranquilamente
Ser ter saudade de um vida já passada
Se eu sentir a falta de seu beijo quente
Recordarei sua alma congelada.