João Bosco    

Sábios Costumam Mentir

Letras João Bosco / Sábios Costumam Mentir

Sábios Costumam Mentir

João Bosco

Estrelas no escuro
E fenômenos do vir-a-ser
Que os deuses me invejem
Eu dou tudo por mero prazer
Pois o excesso de felicidade
Bem do princípio do amor
Quando o amor é fatal
Quando é fatal
Mata os deuses de inveja
De um simples mortal
Que são o futuro e o passado
A saudade e a esperança
O amor nos convida à viagem
Agora e aqui
Quando você me inflama
O foco da imaginação
Vejo como é relativo
O poder da razão enfim
Sábios costumam mentir
Isso por força do amor por você aprendi
Não pe que eu ame apesar
Do absurdo de amar
Mas justamente
Porque é absurdo sem par
Que são o futuro e o passado
A saudade e a esperança?


João Bosco

Sábios Costumam Mentir

João Bosco

Sábios Costumam Mentir

Estrelas no escuro
E fenômenos do vir-a-ser
Que os deuses me invejem
Eu dou tudo por mero prazer
Pois o excesso de felicidade
Bem do princípio do amor
Quando o amor é fatal
Quando é fatal
Mata os deuses de inveja
De um simples mortal
Que são o futuro e o passado
A saudade e a esperança
O amor nos convida à viagem
Agora e aqui
Quando você me inflama
O foco da imaginação
Vejo como é relativo
O poder da razão enfim
Sábios costumam mentir
Isso por força do amor por você aprendi
Não pe que eu ame apesar
Do absurdo de amar
Mas justamente
Porque é absurdo sem par
Que são o futuro e o passado
A saudade e a esperança?