João Bosco    

Na Venda

Letras João Bosco / Na Venda

Na Venda

João Bosco

Eu fui na venda
comprar pinga e pimentão
pra fazer um xarope noventa
que matasse a fome
e limpasse o pulmão
mas o caxeiro-cachorro!
Tomou meu dinheiro,
mandou que eu ficasse calado,
maneiro,
botou toda culpa na Dona Inflação.
- Essa não, seu Leitão!

Dei-lhe uma descompostura
criei embaraço,
os home arriaro a porta de aço
e arrepiaro mais que porquispim...
Tinha uma abertura nos fundo da venda,
corri como um cão,
passaro um jornal nos meus treco
e o Leitão
jogou o pacote por cima de mim.
- quase foi o meu fim!


João Bosco

Na Venda

João Bosco

Na Venda

Eu fui na venda
comprar pinga e pimentão
pra fazer um xarope noventa
que matasse a fome
e limpasse o pulmão
mas o caxeiro-cachorro!
Tomou meu dinheiro,
mandou que eu ficasse calado,
maneiro,
botou toda culpa na Dona Inflação.
- Essa não, seu Leitão!

Dei-lhe uma descompostura
criei embaraço,
os home arriaro a porta de aço
e arrepiaro mais que porquispim...
Tinha uma abertura nos fundo da venda,
corri como um cão,
passaro um jornal nos meus treco
e o Leitão
jogou o pacote por cima de mim.
- quase foi o meu fim!