João Bosco    

João do Pulo

Letras João Bosco / João do Pulo

João do Pulo

João Bosco

Pulou o Brasil do tri
Pulou e tremeu de dor
Ao ver o pulo do gato cortado
Cortada a perna de luz, cortada
A claridade do raio de Xangô
Fechou o Brasil do tri
Tristetritrovejou
De dor o povo pulou pra frente
Semente o sangue do herói, sente
- Ô, pula João! Ô, Kawô, Xangô!
João como um João qualquer
João de sangue Afro-Tupi
De príncipe a escravo a preto-fôrro
De operário a novamente herói do morro
Aprendeu a resistir
Na favela, a tribo passa fome de cachorro
É um osso duro de roer
Mas toda a resistência corre em meu socorro
Valoriza, herói, todo sangue derramado Afro-Tupi!
Combate, Male! Dá três pulos aí Saci!
Se atira no espaço por nós, Zumbi!
Joga a chibata, João, no mar que te ampliou!
Ah, olha o raio de luz: Kawô, Xangô!
Nosso país infeliz também pulou.


João Bosco

João do Pulo

João Bosco

João do Pulo

Pulou o Brasil do tri
Pulou e tremeu de dor
Ao ver o pulo do gato cortado
Cortada a perna de luz, cortada
A claridade do raio de Xangô
Fechou o Brasil do tri
Tristetritrovejou
De dor o povo pulou pra frente
Semente o sangue do herói, sente
- Ô, pula João! Ô, Kawô, Xangô!
João como um João qualquer
João de sangue Afro-Tupi
De príncipe a escravo a preto-fôrro
De operário a novamente herói do morro
Aprendeu a resistir
Na favela, a tribo passa fome de cachorro
É um osso duro de roer
Mas toda a resistência corre em meu socorro
Valoriza, herói, todo sangue derramado Afro-Tupi!
Combate, Male! Dá três pulos aí Saci!
Se atira no espaço por nós, Zumbi!
Joga a chibata, João, no mar que te ampliou!
Ah, olha o raio de luz: Kawô, Xangô!
Nosso país infeliz também pulou.