João Bosco    

Jimbo no Jazz

Letras João Bosco / Jimbo no Jazz

Jimbo no Jazz

João Bosco

xis, é dabliú e ipsilone
Quando Jimbo no trombone
Se zanga e jonga no jazz.

Samangos e candangos no fandango
Dão até tangolomango
Com as firulas que êle faz.

As quengas, quando escutam a pererenga,
Entram na sacurupemba
Provocando bafafás .

Jimbo batuca, toma timbuca,
Jimbo é maneiro demais:
Risca tuia na fundanga
E faz jongo no jazz.

Um dia, um bangalafumenga já meio tungado,
Gago, gungunando, bamzando um bocado
Indagou do Jimbo que joça era jazz.

E o Jimbo, ziguezagueando a vara do trombone
Fez dois dabliús e três ipsilones,
Dois passos pra frente, dois passos pra trás.
Então, o samango, mondrongo, mumbungo, piongo,
Largou da rezinga e caiu no fandango
Gostando e sacando que o jongo é um jazz.
E o jazz e o samba e a milonga e o tango e o candombe
E a rumba e o mambo, tudo é lá do congo
E é essa a mironga do que o Jimbo faz.


João Bosco

Jimbo no Jazz

João Bosco

Jimbo no Jazz

xis, é dabliú e ipsilone
Quando Jimbo no trombone
Se zanga e jonga no jazz.

Samangos e candangos no fandango
Dão até tangolomango
Com as firulas que êle faz.

As quengas, quando escutam a pererenga,
Entram na sacurupemba
Provocando bafafás .

Jimbo batuca, toma timbuca,
Jimbo é maneiro demais:
Risca tuia na fundanga
E faz jongo no jazz.

Um dia, um bangalafumenga já meio tungado,
Gago, gungunando, bamzando um bocado
Indagou do Jimbo que joça era jazz.

E o Jimbo, ziguezagueando a vara do trombone
Fez dois dabliús e três ipsilones,
Dois passos pra frente, dois passos pra trás.
Então, o samango, mondrongo, mumbungo, piongo,
Largou da rezinga e caiu no fandango
Gostando e sacando que o jongo é um jazz.
E o jazz e o samba e a milonga e o tango e o candombe
E a rumba e o mambo, tudo é lá do congo
E é essa a mironga do que o Jimbo faz.