João Bosco    

Alferes

Letras João Bosco / Alferes

Alferes

João Bosco

Alferes, Vila Rica em sombras
Espera pelo batizado,
E a derrama pesa sobre as lajes e a procissão.
Vila Rica reza rente aos muros da guarnição.
O por do sol apagou os sinos:
Dez vidas dar.
Ai Marília, as liras e o amor
Ninguém consegue enforcar
E a mesma voz virá
De muito além do desterro e do sal,
Mais do que foi.
Alferes, Ouro Preto em sombras
Espera pelo batizado,
Ainda que tarde sobre a morte do sonhador
Ainda que tarde sobre as bocas do traidor.
Raios de sol brilharão nos sinos:
Dez vias dar;
Ai Marília, as liras e o amor
Não posso mais sufocar
E a minha voz irá
Pra muito além do desterro e do sal,
Maior que a voz do rei


João Bosco

Alferes

João Bosco

Alferes

Alferes, Vila Rica em sombras
Espera pelo batizado,
E a derrama pesa sobre as lajes e a procissão.
Vila Rica reza rente aos muros da guarnição.
O por do sol apagou os sinos:
Dez vidas dar.
Ai Marília, as liras e o amor
Ninguém consegue enforcar
E a mesma voz virá
De muito além do desterro e do sal,
Mais do que foi.
Alferes, Ouro Preto em sombras
Espera pelo batizado,
Ainda que tarde sobre a morte do sonhador
Ainda que tarde sobre as bocas do traidor.
Raios de sol brilharão nos sinos:
Dez vias dar;
Ai Marília, as liras e o amor
Não posso mais sufocar
E a minha voz irá
Pra muito além do desterro e do sal,
Maior que a voz do rei