João Alexandre    

Belém do Pará

Letras João Alexandre / Belém do Pará

Belém do Pará

João Alexandre

A tarde molhada de chuva não é novidade pra quem vive aqui..
O jeito feliz da cidade, a felicidade como eu nunca vi...
Quem dera não houvesse tristeza
Quem dera só restasse alegria

Quem te vê, quem te viu
Já conhece o Brasil da cultura e da história e da lida..
É bom ouvir canções do teu povo
É triste ver o peso da dor..
Bem ou mal tanto faz no teatro da paz
Onde a arte se encontra com a vida...

Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...
Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...

Madeiras, mulheres rendeiras, botos, seringueiras
E os barcos nos rios...
O povo repleto de vida divide esse dom de vencer desafios
A índia linda é um dom marajoara
Castanhas, açaís, buritis..

Quem te vê, quem te viu
Há de amar o Brasil das colônias, do ouro e das plantações
É bom saber que existe esperança
É triste ver o verde acabar
Quando o mal se desfaz todo bem vale mais
Mais que os homens que pensam nos seus milhões

Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...
Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...


João Alexandre

Belém do Pará

João Alexandre

Belém do Pará

A tarde molhada de chuva não é novidade pra quem vive aqui..
O jeito feliz da cidade, a felicidade como eu nunca vi...
Quem dera não houvesse tristeza
Quem dera só restasse alegria

Quem te vê, quem te viu
Já conhece o Brasil da cultura e da história e da lida..
É bom ouvir canções do teu povo
É triste ver o peso da dor..
Bem ou mal tanto faz no teatro da paz
Onde a arte se encontra com a vida...

Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...
Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...

Madeiras, mulheres rendeiras, botos, seringueiras
E os barcos nos rios...
O povo repleto de vida divide esse dom de vencer desafios
A índia linda é um dom marajoara
Castanhas, açaís, buritis..

Quem te vê, quem te viu
Há de amar o Brasil das colônias, do ouro e das plantações
É bom saber que existe esperança
É triste ver o verde acabar
Quando o mal se desfaz todo bem vale mais
Mais que os homens que pensam nos seus milhões

Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...
Vim parar no Pará e encontrei todo o bem
No calor e no amor de Belém...